Seminário virtual com David Jofré (University of Santiago) em 8 de setembro

Virtual Seminar “Mediatizing Agribusiness-related Conflicts in Chile: How Activists Still Resort to Legacy News Media to Raise Awareness on Water and Pesticides Risk

David Jofré is a journalist (Universidad de Playa Ancha, Chile) with a PhD in Politics and a MSc in Political Communication (University of Glasgow, UK). He is currently Assistant Lecturer at the University of Santiago (USACH), where he teaches contemporary politics and organizational communications at the School of Journalism. Previously, David Jofré was a postdoctoral research fellow at the Research Center for Integrated Disaster Risk Management (CIGIDEN) led by Pontifical Catholic University. of Chile His research focuses on activist media practices, social movement organizations and socio-technological change, with an emphasis on Chilean environmental governance processes, conflicts and risks.

Please e-mail Karen.Siegel@uni-muenster.de if you would like to participate in the seminar.

David Jofré
Participação nos 9th European Workshops in International Studies (EWIS) 2022: “O lado negro da sustentabilidade”

Participação nos 9th European Workshops in International Studies (EWIS) 2022: “O lado negro da sustentabilidade”

Melisa Deciancio participou do 9º Workshop Europeu de Estudos Internacionais (EWIS) 2022, “Os mundos interligados do passado e do presente”: Co-constituindo a internacional” na Universidade da Macedônia, Thessaloniki, 6-9 de julho de 2022. Ela participou do workshop “O Lado Negro da Sustentabilidade” e apresentou seu trabalho sobre a análise da bioeconomia através das lentes da Teoria da Dependência e suas implicações para o caso argentino.

O Projeto SABio na Conferência ICABR 2022

O Projeto SABio na Conferência ICABR 2022

The 26th Conference of the International Consortium of Applied Bioeconomy Research (ICABR) took place at the University of Bologna from July 5th to July 8th, 2022. The main topic of the conference was “Bioeconomy Innovation Pipelines and Supply Chain Shocks”.

Two papers by SABio researchers were accepted to present at the Conference:

How Can Market Structures Hinder the Effectiveness of Inclusive Bioeconomy Policies? An analysis of the Brazilian Social Fuel Stamp. Authors: Kemel Kalif, Jorge Sellare.

Can Auctions Foster Renewable Energy under Institutional and Macroeconomic Instability? Authors: Pablo Mac Clay, Jan Börner, Jorge Sellare.

The International Consortium on Applied Bioeconomy Research is a unique international consortium of people interested in bioeconomy, agricultural biotechnology, rural development, and bio-based economy research (https://icabr.net/)

Apresentação na Conferência Anual do World International Studies Committee (WISC)

Apresentação na Conferência Anual do World International Studies Committee (WISC)

Melisa Deciancio participou do painel “The Politics of Development” na Conferência Anual do World International Studies Committee, realizada em Buenos Aires em 1º de julho de 2022. Ela apresentou o capítulo ” Bioeconomy governance and (sustainable) development “, em co-autoria com Karen Siegel, Daniel Kefeli, Guilherme de Queiroz Stein e Thomas Dietz e publicado em seu Handbook on the Politics of International Development (Elgar Publishers), editado com Pablo Nemiña e Diana Tussie.

Apresentação na conferência “Energy Research & Social Sciences”

Apresentação na conferência “Energy Research & Social Sciences”

Pablo Mac Clay, Junior Researcher at the University of Bonn, presented the paper “Can Auctions Foster Renewable Energy under Institutional and Macroeconomic Instability?” at the 3rd International Conference on Energy Research & Social Sciences. The paper is part of the SABio project and is co-authored by Prof. Dr. Jan Börner and Dr. Jorge Sellare.

Renewable energy auctions have become an increasingly popular policy in the last few years. Countries seeking to decarbonize their energy matrixes have been adopting auctions to replace administratively-set incentives. Moreover, many of the newcomers to auctions are Global South countries, characterized by macroeconomic and institutional instability. This paper seeks to explore whether auctions are a suitable instrument to foster investments in renewable capacity, even in contexts of weak business environments.

The 3rd International Conference on the Energy Research & Social Sciences took place between June 20 and 23, 2022 at the University of Manchester. It is among the main global forums exploring the nexus between energy and society

Colóquio presencial da SABio na Universidade de Bona

Colóquio presencial da SABio na Universidade de Bona

Após dois anos de trabalho em formato virtual, de 14 a 15 de Junho de 2022, a equipa da SABio reuniu-se finalmente pessoalmente!

Os dois grupos de investigação do Projecto SABio da Universidade de Münster e da Universidade de Bona participaram no Colóquio da Universidade de Bona. Encontraram-se para reflectir sobre o progresso do projecto e para discutir futuros desafios e oportunidades. O colóquio foi organizado e coordenado pelos dois chefes dos grupos de investigação, Jorge Sellare (Universidade de Bona) e Karen Siegel (Universidade de Münster).

O SABio na Dresden Nexus Conference 2022

O SABio na Dresden Nexus Conference 2022

No dia 23 de maio de 2022, o doutorando Guilherme de Queiroz Stein e a coordenadora do SABio na Universidade de Münster, Dra. Karen Siegel, apresentaram o trabalho intitulado “A bioeconomy based on biodiversity in Brazil” na sessão Exploring Biodiversity and Economy Connections, da Dresden Nexus Conference (DNC). A apresentação trouxe o conceito de socio-biodiversidade para o debate sobre potenciais econômicos da biodiversidade, enfatizando também a necessidade de atentar para riscos ligados à biopirataria, à superexploração de recursos naturais e a inequidades na repartição de benefícios. O trabalho também discutiu como a governança sobre acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios pode mitigar esses riscos. Além disso, no painel também foram discutidos temas diversos, como a valorização de serviços ecossistêmicos, os potenciais econômicos da biodiversidade e a viabilidade de projetos de coletores de sementes para atender a demanda por restauração florestal, a partir de estudos realizados na Namíbia, Rússia e Brasil.

A DNC ocorreu entre os dias 23 e 25 de maio de 2022, com o objetivo de “criar diálogo sobre o pensamento de nexo que fomenta atividades de pesquisa e desenvolvimento de capacidade na gestão sustentável e integrada de água, solo e resíduos”. As apresentações realizadas foram gravadas e continuam disponíveis na plataforma virtual do evento.

 

Colóquio “Bioeconomy and Sustainability Policies and Politics in Argentina, Brazil and Uruguay”

On March 23rd, 2022, the SABio Interdisciplinary Colloquium “Bioeconomy and Sustainability Policies and Politics in Argentina, Brazil and Uruguay” was held virtually, organized by Karen Siegel at the Institute of Political Science of the University of Münster. The two research groups of the SABio Project at the University of Münster and the University of Bonn as well as different members of the steering committee and scientific advisors of the project and some external guests from South America and Europe participated.

With the aim of discussing the policies and politics of bioeconomy and sustainability in Brazil, Uruguay and Argentina, the members of the research group in Political Science at the University of Münster gave a presentation of their research in each of the countries followed by a discussion and Q+A with the audience.

 

Guilherme de Queiroz-Stein presented part of his ongoing research on a bioeconomy based on biodiversity in Brazil. His research objective is to identify the economic potential of Brazilian biodiversity, the different conceptions regarding the development of this bioeconomy, and the possible associated risks. The analysis identified that governmental actors, civil society, academia, and national industry had presented different concepts on how to develop the Brazilian bioeconomy, converging in the search for alternatives to the hegemonic bioeconomy, based on soybean, corn, and sugarcane monocultures. In fact, he identified significant developments in sectors such as food, cosmetics, and medicines and future potentials linked to bioenergy, payment for environmental services, and ecotourism.

Daniel Kefeli presented his co-authored paper with Karen Siegel, Lucía Pittaluga and Thomas Dietz. They examine the main drivers and dynamics of environmental policy integration in Uruguay during three periods of the recent Uruguayan history between 1990 and 2020, reflecting the most significant changes in the level of policy integration. Following the framework developed by Candel and Biesbroek, they demonstrate the continuous progress in policy integration over the 30 years in the Uruguayan forestry sector.

Melisa Deciancio presented her paper on the role of the state in promoting the Argentine bioeconomy, focusing on the extent to which the state, through the promotion of various initiatives, contributed to the development of bioeconomy projects in Argentina. To answer this question, the paper examines two cases of the bioeconomy in Argentina: biorefineries and GM crops technologies. From the analysis of policies and actors involved in both projects, she states that the state has played an active role in accompanying the private sector in promoting the bioeconomy and that, despite ideological divergences, the policies designed demonstrate the continuity between the different governments.

 

For more information, please see the colloquium programme.

Conceitos, mercados e regulações: obstáculos e oportunidades para uma bioeconomia sustentável no Brasil

por Guilherme de Queiroz Stein, Trevor Tisler e Renan Magalhães

Em 14 de dezembro de 2021, o projeto SABio promoveu um Workshop sobre Bioeconomia no Brasil. Os pesquisadores Guilherme de Queiroz Stein e Trevor Tisler organizaram e coordenaram o evento, que contou com 45 participantes de diferentes organizações governamentais, acadêmicas, do setor privado e da sociedade civil, comprometidos com o desenvolvimento de uma bioeconomia sustentável no país. O objetivo do evento foi promover o debate e a troca de experiências sobre o papel para a bioeconomia brasileira de novas regulações que incidem sobre a biodiversidade, a conservação e a restauração da natureza. Além disso, o workshop configurou-se como um espaço de trocas de informações e construção de uma rede entre os participantes, de modo a possibilitar a construção de novos laços de cooperação científica.

“Gerardo Germano da Silva harvesting agroecological cotton in Ceará, Brazil” by farmingmatters. Licensed under CC BY-NC-SA 2.0.

No debate entre os convidados, destacou-se a existência de diferentes conceitos de bioeconomia, que orientam distintas estratégias de suporte e regulação dos negócios bioeconômicos. A heterogeneidade conceitual pode trazer dificuldades metodológicas para projetos de pesquisas e para a formulação de políticas, mas não pode ser ignorada, uma vez que é reflexo da complexidade e da heterogeneidade características da própria realidade bioeconômica. Dessa forma, o desenvolvimento conceitual ainda é um fator desafiante, especialmente em face da realidade latino-americana, tão distinta dos contextos europeus e norte-americanos, onde originalmente o conceito de bioeconomia foi criado. Naqueles contextos, recorrentemente, define-se a bioeconomia pelos setores econômicos que abrange e pelos produtos que esses setores desenvolvem, incluindo a agricultura, bioenergia, alimentação, processamento de biomassa, produtos de alto-valor agregado de base biotecnológica, resíduos orgânicos. Mesmo que esses setores também possuam importante participação em nossa economia, as possibilidades de desenvolvimento da bioeconomia no Brasil são mais amplas, especialmente se o foco estiver nos processos, mais do que nos produtos gerados.

Photo by Guilherme de Queiroz Stein

Assim, enfatizou-se a necessidade de se desenvolver um conceito de bioeconomia adaptado à realidade brasileira, que coloque os potenciais da biodiversidade do país, de seu imenso capital natural e de sua diversidade sociocultural como elementos centrais. Esses potenciais devem ser traduzidos na construção de novas atividades, setores e indústrias capazes de agregar valor e fomentar dinâmicas endógenas de desenvolvimento, rompendo com o papel dependente de ser apenas um exportador de biomassa e alimentos. Para tanto, é preciso estar atento aos processos pelos quais operam suas dinâmicas econômicas e o quanto contribuem para o desenvolvimento sustentável. A sustentabilidade depende menos do que é produzido e mais dos modelos de negócios adotados, da forma como se estruturam cadeias de valor e da construção de arranjos de governança capazes de garantir preservação ambiental, desenvolvimento social e respeito aos direitos humanos. Nesse sentido, é preciso fomentar uma nova bioeconomia, capaz de valorizar o significativo potencial encontrado no Brasil para o pagamento por serviços ambientais e ecossistêmicos, a industrialização de produtos naturais e a recuperação de pastagens e de outras paisagens degradadas. Além disso, existe espaço para o fomento de agricultura de baixo carbono, de sistemas agroflorestais e de inovações baseadas em bioprospecção, em áreas como biologia molecular, biomimética e usos de micro-organismos para soluções industriais.

“Quebradeira de Côco Babaçu – Brasil – Tocantins – Pequizeiro ” by JcPietro. Licensed under CC BY-SA 4.0.

Os marcos legais que regulam o desenvolvimento desses setores serão importantes na estruturação de mercados e no estabelecimento de limites à expansão da bioeconomia, dentro de parâmetros que garantam sua sustentabilidade socioambiental. Contudo, por si só, esses marcos não serão suficientes para se alcançar uma trajetória de desenvolvimento sustentável. É preciso o comprometimento dos atores envolvidos em tornar sustentável os processos e os produtos da bioeconomia brasileira, apostando em novos modelos de rentabilização de negócios e geração de bem-estar. Ainda, será fundamental a implementação de políticas com o objetivo de enfrentar gargalos, como o déficit de capacitação profissional em regiões estratégicas, a falta de suporte a novos empreendimentos e a abrupta queda nos recursos públicos destinados ao financiamento de pesquisa científica e inovação.

Ressalta-se que a criação de novos mercados, como aqueles ligados à redução de emissões de carbono e aos serviços ecossistêmicos, só será possível através do cumprimento das leis ambientais e dos compromissos assumidos internacionalmente pelo Brasil. Para tanto, será crucial restabelecer a capacidade de comando e controle do Estado brasileiro, especialmente na área ambiental, tendo por foco alcançar, o mais rápido possível, a meta de zerar o desmatamento em nosso país. A maior dificuldade, provavelmente está no próprio direcionamento político do Estado brasileiro, que atualmente não apenas deixa de priorizar essa meta, mas deliberadamente retira capacidade de atuação dos órgãos responsáveis pela política ambiental e incentiva atividades predatórias, como a mineração na região amazônica.

Photo by Guilherme de Queiroz Stein

Tanto as políticas regulatórias, quanto as de promoção ativa da bioeconomia, só conseguirão alcançar a inclusão social se contarem com mecanismos de participação da sociedade civil em sua formulação, execução e monitoramento. A valorização dos ecossistemas nacionais e de sua imensa biodiversidade só poderá ocorrer em diálogo com o conhecimento de povos indígenas, comunidades tradicionais e agricultores familiares, segmentos que há séculos acumulam saberes a respeito dos usos e do manejo da biodiversidade. Por sua vez, a condição para esse diálogo é, antes, garantir os direitos desses povos e comunidades aos seus territórios e a sua integridade física, ou seja, garantir o respeito aos direitos humanos básicos. Essa condição só pode ser atendida sob um Estado democrático de direito, de modo que, a defesa da democracia torna-se fator fundamental para a promoção de uma nova bioeconomia, que de fato promova o desenvolvimento sustentável.

Abaixo, disponibilizamos os links compartilhados pelos participantes do workshop. Neles, é possível encontrar publicações científicas sobre a bioeconomia no Brasil e no mundo, bem como sites de projetos e grupos de pesquisa brasileiros que atuam na área.


Links

A sustainable bioeconomy for Europe: https://knowledge4policy.ec.europa.eu/publication/sustainable-bioeconomy-europe-strengthening-connection-between-economy-society_en

Bioeconomia da Sociobiodiversidade no estado do Pará: https://www.tnc.org.br/content/dam/tnc/nature/en/documents/brasil/projeto_amazonia_bioeconomia.pdf

Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura: https://www.coalizaobr.com.br/home/index.php/o-que-propomos/posicionamentos-coalizao/2206-forca-tarefa-de-bioeconomia-da-coalizao-define-posicao-e-propostas-de-acoes-sobre-o-tema 

Diálogo Florestal: https://dialogoflorestal.org.br/foruns-regionais/forum-florestal-da-amazonia/

Financing mechanisms to bridge the resource gap to conserve biodiversity and ecosystem services in Brazil: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2212041621000796

Fórum Florestal da Amazônia – Plano Estratégico: https://dialogoflorestal.org.br/wp-content/uploads/2021/07/ff-amazonia-planejamento-estrategico.pdf

Grupo de Economia do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (GEMA) – UFRJ: www.ie.ufrj.br/gema

Grupo de Pesquisa SABio: https://sabio-project.org/pt/portugues/ 

Portal de Bioeconomia: https://portaldebioeconomia.com/

Science Panel for the Amazon – Amazon Assessment Report 2021: https://www.theamazonwewant.org/wp-content/uploads/2021/11/211112-Amazon-Assessment-Report-2021-Part-III-reduced.pdf 

Onde Estamos na Implementação do Código Florestal? Radiografia do CAR e do PRA nos Estados Brasileiros – Edição 2020: https://www.climatepolicyinitiative.org/pt-br/publication/onde-estamos-na-implementacao-do-codigo-florestal-radiografia-do-car-e-do-pra-nos-estados-brasileiros/

Lei nº 13.123/2015 (Acesso ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado): http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13123.htm

Decreto nº 8.772/2016 (regulamenta Lei nº 13.123/2015): http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8772.htm

Decreto nº 10.844/2021 (altera Decreto nº 8.772/2016): http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2021/Decreto/D10844.htm

Presentation at the International Conference: “Environmental goods and services: International Negotiations and political dilemmas”

Melisa Deciancio participated in the panel “Environmental goods and services: International Negotiations and political dilemmas” at the Pontificia Universidad Catolica del Peru (PUCP), addressing the state and challenges of the bioeconomy in Argentina, Brazil and Uruguay. The other panellists included Pedro Da Motta Veiga (CINDES-Brazil), Manuel Rojas (PUCP), and Alan Fairlie (PUCP).